Tuesday, February 26, 2008

Brasil - O País dos Impostos

Um relatório recente do Banco Mundial revelou que uma companhia típica no Brasil precisa dedicar 2.600 horas por ano para pagar os seus impostos - isso faz com que o país fique em último lugar entre as 177 nações pesquisadas.

Na Irlanda são necessárias apenas 76 horas.As grandes companhias empregam exércitos de advogados para guiá-las através do labirinto de regulamentações.

Mas, ao se depararem com tal complexidade, muitos pequenos empresários ou vão à falência ou mergulham na "informalidade" - um termo muito utilizado no Brasil como um eufemismo para a sonegação de impostos.Além dos impostos trabalhistas e as contribuições à previdência, as companhias têm de lidar com os impostos estaduais sobre as vendas - governados nos 26 Estados brasileiros e no Distrito Federal por 27 conjuntos de leis diferentes - bem como com inúmeros outros impostos sobre vendas, lucros e folhas de pagamento, nos níveis municipal, estadual e federal.

O fardo fiscal no país vem aumentando sistematicamente nos últimos anos, tendo chegado a um patamar de cerca de 37% do PIB (Produto Interno Bruto), tão elevado quanto o de muitos países desenvolvidos, sem entretanto resultar na qualidade dos serviços oferecidos por estes países.Fábio Pina, da Fecomércio, uma associação de comércio com sede em São Paulo que faz campanha pela reforma fiscal, afirma: "Alguns impostos são pagos à União e repassados aos Estados, outros são distribuídos dos Estados para os municípios, e há ainda aqueles que são transferidos dos Estados para a União para depois serem redistribuídos aos Estados. É um vaivém monstruoso e desnecessário que é o legado de centenas de anos de imposições constantes de leis tributárias".

O governo está sendo cada vez mais pressionado para dar um jeito nessa confusão.Na semana passada, Guido Mantega, ministro da Fazenda, disse que uma proposta de reforma seria enviada ao Congresso Nacional até 28 de fevereiro.Tal reforma vem sendo prometida desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiu o cargo em 2003. Mas agora ela traz um incentivo extra: em dezembro o governo sofreu um forte golpe quando o Senado rejeitou uma lei no sentido de perpetuar a CPMF, um imposto sobre operações financeiras cujo valor total seria de cerca de R$ 40 bilhões (US$ 23,4 bilhões, ?16 bilhões, £ 12 bilhões) neste ano.O atual sistema baseia-se bastante nos impostos sobre as transações comerciais que são ocultos do consumidor no ponto da venda, de forma que, no Brasil, os pobres pagam proporcionalmente mais impostos do que os ricos.

Os índices de impostos variam bastante: no Estado de São Paulo o preço do frango, por exemplo, inclui 18% em impostos. Em se tratando de uma lata de refrigerante, o imposto é de 47%, e de uma lata de cerveja, 56%, de acordo com o Feirão do Imposto, um website que lista diversos exemplos desse tipo.Uma reforma ampla significaria unificar os 27 diferentes impostos estaduais, assim como aglutinar ou simplificar outros impostos e contribuições previdenciárias. Porém, os maiores Estados - aqueles que mais perderiam com qualquer reforma - são controlados pela oposição, o que torna tal mudança politicamente difícil.

Acredita-se que a proposta do governo envolva alguma maneira de simplificar os impostos estaduais sobre as transações comerciais, mas sem criar um imposto único sobre o valor das mercadorias. E é provável que os outros impostos de âmbito municipal não sofram nenhuma mudança.

2 comments:

Lu Boldorini said...

Primooo

voltei ao blogger
hahahaha

saudades pagodeiro
ahhaha

beijo!

Anonymous said...

Olá descobri seu blog a poucos dias, parece que estamos no mesmo barco... (por enquanto furado hehehehe). Adorei as informações que vc passa pra gente, na verdade acho que ninguem gosta porque essas noticias nao sao muito boas, mas ajuda a manter a cabeca levantada pensando la na frente, no processo, na mudança...
Abraços Fabíola